sábado, dezembro 10, 2011

‎"Morre mais um instante com os olhos cansados. Quem o reconheceria com aquelas roupas rasgadas e olhos tão profundos? Ninguém. Sequer a mãe, tão cheia de afeto e carinho, soube que naquele cheiro insuportável se escondia seu único filho, o mais querido...." - pg.1

sexta-feira, dezembro 02, 2011

A porta fechada

.
A porta e a tinta descascada.
Mostra a casa abandonada.
Fria, suja, as ruínas: solitária.
E bato e ninguém ouve.
Mas se movem, percorrendo
a nossa imensa memória.
Houve alguém um dia?
E a porta e o trinco
alguém silencia.

Bato até os braços cansarem.

O outro lado, o vazio enorme.
Quem de nós decidiu tanto
sobre nossa pavorosa vida?
Os planos expostos, a ferida
exposta; trancada, deprimente.
E bato e ninguém me ouve.
Houve alguém um dia,
mas e o trinco e a memória:
Alguém silencia.

E os abraços finalmente se cansam.
.
.
.